Adolescente é 'descartado' para adoção

Instituições de acolhimento da cidade têm 22 crianças para serem adotadas, mas casais preferem bebês (e brancos).
Quatorze crianças com idades entre 7 e mais de 15 anos estão abrigadas em duas instituições de acolhimento à espera de adoção. Na lista de espera existem 151 casais.
Todas elas fogem do perfil preferido pelos pais que é bebê, menina e de cor branca. “Normalmente é mais difícil o casal adotar adolescente. No ano passado, colocamos para adoção um bebê a cada dois meses, este ano tivemos apenas um”, afirmou o juiz Paulo Cesar Gentile, da Vara da Infância e da Juventude.
A advogada Sônia Aparecida Paiva, especialista em adoção, concorda com o magistrado. “A maioria que me procura quer menina, branca e recém-nascida”.
Diminuição
Segundo ele, o número de crianças nas instituições de acolhimento diminuiu nos últimos três anos.
“Antes tínhamos 90 crianças abrigadas e agora não passa de 30. De cinco instituições hoje temos apenas duas”.
Segundo Valéria Mattar, psicóloga da Vara da Infância e da Juventude, este ano três crianças entraram no processo de adoção, que segundo a legislação não pode ultrapassar dois anos.
“De janeiro a outubro dois irmãos de 7 e 9 anos foram adotados por um casal de São Paulo. Além disso, também temos um garoto de oito anos que vai ser adotado”, afirmou ela.
De acordo com a psicóloga, os casais não querem adotar adolescentes, eles preferem crianças. “Tenho dois irmãos, um com 11 e outro com 13 anos, mas a gente não consegue arrumar família para eles. Eles devem continuar na instituição de acolhimento até completarem 18 anos. Não podemos colocá-los na rua. É mito pensarem que toda a hora teremos criança pequena para ser adotada”, afirma.
Como adotar:
Os interessados em adotar devem procurar o Setor de Adoção do Fórum de Ribeirão Preto que fica no NAI (Núcleo de Atendimento Integrado).
No local, o casal se inscreve para participar de uma palestra de orientação que dura cerca de três horas.
“Depois de fazer o curso de adoção eles recebem orientação sobre todos os procedimentos a serem feitos. Sem este curso não é possível fazer nada”, explica Valéria.
Advogada diz que fila de espera é respeitada
A  advogada Sônia Aparecida Paiva diz que, hoje, a Justiça segue rigorosamente a fila de casais cadastrados. “Quando a mãe deixa a criança no hospital é feita uma pesquisa social da família. Caso a criança seja enviada à instituição é feita outra pesquisa. Quando a família diz que não quer o bebê, ele é colocado para adoção”.

A Vara da Infância e da Juventude chama o casal que está na fila de espera e, se houver interesse, a criança é adotada. O procedimento não pode durar mais de dois anos. “Existem adoções em que a criança já está no seio da família e precisa ser regularizada. Um advogado é contratado para formular o pedido. Esta é uma das formas legais de adoção”.

0 comentários:

Postar um comentário